Será que precisamos perder pra dar valor?

11 de dezembro de 2017


Desculpe meus amores, mas a ausência foi inevitável.
Passei por um susto enorme no finalzinho de novembro que me levou a essa reflexão.
Fui criada pela minha avó desde muito pequena e vivi com ela até o dia do meu casamento.
Baixinha, guerreira e muito esforçada, deixava de viver a própria vida pra cuidar de nós, quatro irmãos comilões, que viviam brigando e fazendo bagunça pela casa, mas o peso da responsabilidade e da idade chegou que seu coração quase não aguentou: vovó teve um infarto. O mundo girou, fiquei sem chão, parecia que algo corroía por dentro quando soube da notícia. A sensação de que ela poderia partir era horrível, indescritível.
Veio um filme na minha cabeça, da época de adolescente que tive vergonha da minha avó.
Vergonha do chinelo que ela usava que as vezes era um de uma cor e outro de outra, vergonha dela cantar alto na igreja, vergonha de andar do lado dela, eu chegava atravessar a rua (UM ABSURDO). Me lembro do dia que ela foi no colégio me buscar pra viajar para Belo Horizonte acompanhar uma amiga em uma cirurgia de risco, e ela orou na sala a pedido da vice diretora para que a cirurgia ocorresse positivamente. Pude perceber algumas risadinhas alheias,  eu só queria me esconder naquele momento.
Aquele filme rebobinando em minha memória, doía tanto quanto a aflição em ter notícias no boletim médico.
Quão fútil eu fui.
Na verdade eu tinha vergonha era de mim mesma. Queria ser alguém que eu não era, parecer com minhas amigas e colegas da sala era meu objetivo, afinal, eles tinham uma condição financeira melhor que a minha, motivo bobo da minha estupidez.
O bom é que quando a gente cresce, amadurece, pelo menos assim deveria ser.
Minha avó usava chinelos trocados ou velhos porque ela comprava o melhor sapato pra eu usar. Ela cantava alto, mas louvava com gratidão, pois ela tem problemas sérios nas cordas vocais e é uma alegria ver que ela pode falar, isso é gratificante. Ela gostava de andar do lado pra segurar nossa mão, nos proteger dos carros que as vezes passavam em alta velocidade uma característica super protetora  bem evidente. Ela ora onde tiver que orar, ouve a voz de Deus, inclusive, todos os dias de manhã nos envia versículos no whasapp que fizeram falta pra todo mundo nos dias que ela esteve na UTI. Que exemplo de mulher!
Graças a Deus ela está bem. Mas e se tivesse partido como acontecem em muitos casos?
Quantas pessoas ainda passam por essa vergonha nos dias de hoje? Seria esse seu caso?
Temos a tendência a reclamar de tudo, e querer colocar nossas frustrações em cima de outras pessoas.
Não queira perder, ou quase perder como foi no meu caso, pra enxergar o valor que seu pai, sua mãe, irmão ou companheiro tem pra você.
Ressalto que valorizo minha avó bem antes desse acontecimento, na verdade, foi no processo do casamento que consegui enxergar como ela é especial.
Espero que essa experiência sirva de alerta para alguém, mesmo que seja do outro lado do mundo.
E lembre-se:
“Seja ridículo, mas seja feliz e não seja frustrado.
Pague mico, saia gritando e falando o que sente, demonstre amor.
Você vai descobrir mais cedo ou mais tarde que o tempo pra ser feliz é curto, e cada instante que vai embora não volta mais.
Não se importe com a opinião dos outros.
Antes ser um idiota pra as pessoas do que infeliz para si mesmo.”

Arnaldo Jabor

16 comentários:

  1. Teu texto tá lindo ♥ Nós humanos e nossas manias bobas de querer ser mais do que a vida permite. Temos o costume de nos envergonhar por coisas fúteis, mas não paramos para ver o que essas coisas podem representar além da aparência. Esperamos perder para só então entendermos o real valor das pessoas que nos cercam. Fico feliz que sua vózinha esteja bem, aproveita que ela tá aí e não esquece de recompensar todos esses momentos de que se arrepende ♥

    ResponderExcluir
  2. Gostei da sinceridade em seu texto, às vezes a gente faz umas coisas que depois que o tempo passa e a gente recorda percebemos o quanto fomos ridículos né, e o pior geralmente isso acontece quando tentamos agradar alguém e ser quem a gente não é. Porém realmente temos que aprender desde cedo a valoriza aquilo que temos e não esperar perder para dar valor.

    Blog Profano Feminino

    ResponderExcluir
  3. Chorei um pouquinho em cada parágrafo. Também fui criada pela minha avó, por isso a chamo de mãe, e a cada linha que eu lia, a expectativa- que dessa vez não era boa - crescia dentro de mim, me imaginando agora. Perder alguém é uma dor quem não é possível explicar, mas o remorso consegue ser maior que essa dor. Quantos adolescentes passam por esse momento de vergonha e quantos adultos não conseguem superá-lo? Eu tenho é orgulho do vestido rasgado, do cabelo desgrenhado, das unhas por fazer, não porque foi deixado de lado pra que eu pudesse fazer, mas porque ela achou que eu era mais inportante que ela mesma.

    Amei esse texto, do fundo do meu coração e me emocionei muito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. quando somos criadas por elas, é um amor ainda mais especial né?!

      Excluir
  4. Que texto lindo, toca a gente no fundo da alma e nos faz pensar, será que estamos vivendo direito? Estamos vivendo nossa vida mesmo, tendo orgulho de quem somos e de onde viemos, de quem temos ao nosso lado e nossos laços de sangue, ou estamos querendo a vida de fulano só porque ele parece ser mais feliz, ter mais dinheiro? Temos que ser felizes com o que temos e agradecer por termos quando muitos nada tem. É uma ótima reflexão que posso dizer que vou levar pra vida, esse seu texto vou carregar em meu coração. Muito lindo mesmo.

    https://spkyjmchrstms.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Texto incrível, carregado de sentimento, profundo e me fez repensar minhas ações, quem eu sou e quem serei daqui pra frente. Obrigada de verdade e digo mais irei compartilhar com minhas amigas! Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que possa ter ajudado de alguma forma

      Excluir
  6. Eu dou muito muito valor mesmo aos meus pais mas eu tenho dificuldade em demonstrar, nunca entendi o porque, a maioria das vezes tento demonstrar com atitudes porque sei que com palavras, por algum motivo, eu não consigo. Graças a Deus sua avó está bem agora e que continue com vocês por muito tempo.
    Agenda Aleatória

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. isso vai de cada pessoa e eu tenho certeza que eles conseguem perceber através de suas atitudes ♥

      Excluir
  7. Que texto maravilhoso!
    Infelizmente é preciso acontecer alguns sustos na nossa vida para refletimos a importância de alguém em nossa vida né?! Triste! Porém o melhor vem depois, como aconteceu com vc, você viu a importância da sua avó!
    Que você aproveite cada segundo com ela!
    E digo mais para quem ler esse comentário, não espera um “susto” para dizer a alguém o quanto a ama e tem orgulho de fazer parte da vida dela.
    Adorei o post
    Uma ótima reflexão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, que ninguém aguarde o "susto" ou decepção chegar. Beijo linda, volte sempre

      Excluir
  8. Meu olho encheu de água lendo seu texto e infelizmente é mais que verdade que a gente só valoriza quando perde. Esses dias me peguei pensando no meu pai (ele morreu uma semana antes de um completar nove anos), fiquei lembrando de quando eu era mais novinha 6/7 anos e fiquei com raiva dele, pensei como esses minutos de raiva poderia ter sido melhor aproveitado se fosse minutos cheios de amor. Mas esse tipo de reflexão é muito boa, pois nos ajuda a ser pessoas melhores

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa ... mas ainda assim tenho certeza que os momentos bons superaram todos os outros, beijinhos ♥

      Excluir